Decisão sobre o barateamento da banda larga no Brasil será no final de abril

Segundo a TELEBRASIL – Associação Brasileira de Telecomunicações, o acesso a banda larga fixa e móvel no Brasil chegarou a 37,4 milhões no mês passado (fevereiro). Isso representa cerca de 35.000 novos assinantes por dia no país. E consta que a utilização de smartphones no país teve grande destaque no último ano, graças a planos de alta velocidade, superiores a 10 Mbps para uso da internet.

De olho nesses números, e em busca de um aumento maior ainda na contratação da banda larga no Brasil, ontem, dia 28 de março, o ministro das comunicações,  Paulo Bernardo, anunciou que até o final de abril será decidido a redução no valor do preço da banda larga para a população, ao retirar os impostos sobre o serviço, “já que o impacto na economia não seria tão grande”.

Mas segundo a FIRJAN (Federação das Indústrias do Rio de Janeiro),  a carga de impostos sobre a internet banda larga ainda é muito alta, chegando a 40% (no Japão, por exemplo, essa taxa é de 5% e na Argentina, 27%) e a infraestrutura precária em alguns estados, e esses são dois dos principais desafios para baratear os custos do serviço no país.

Dessa forma, é difícil acreditar que o barateamento será tão simples de ser feito, e que o impacto a ser causado será pequeno, pois serão necessários principalmente, investimentos altos na melhoria das principais linhas de fibras ópticas e em toda a sua extensão.

Alguns números demonstram quanto é o custo da nossa banda larga, em comparação a outros países:

10 megabytes por segundo

Brasil = US$ 63,60

Alemanha = US$ 56,90

Chile = US$ 51,60

Taiwan = US$ 41,40

Share on Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>